Caso Monte Tchota

A SEMANA : Primeiro di?rio caboverdiano em linha

Muitos “views”, mas mais “dislikes” 14 Maio 2016

A publicação de fotos dos cadáveres das vítimas deu muitos “views” às páginas de determinados internautas, mas mais ainda “dislikes”, bloqueios de pedidos de amizade e ameaças de processos-crimes por desrespeito à imagem dos malogrados. O jurista Vuka Lopes bloqueou a página “informativa” Onda Kriolu e incentivou os interessados a apresentar queixa-crime contra aqueles que espalharam as fotos na Internet.

Muitos “views”, mas mais “dislikes”

A partilha de imagens dos cadáveres das vítimas do massacre de Monte Txota no Facebook levou vários internautas a bloquear quer amigos quer uma página “informativa” que promoveram essa conduta. Para os críticos, mostrar as fotos na rede social ultrapassou os limites do tolerável e é um claro desrespeito pela dor dos familiares dos soldados e civis assassinados. Por isso acham que esse comportamento deveria merecer uma firme condenação da sociedade cabo-verdiana e os autores serem alvo de processos-crimes. Aliás, o jurista Vuka Lopes incentivou os interessados a levar a Tribunal os administradores da página Onda Kriolu, além de outras pessoas, por terem publicado tais imagens.

“Basta! Não podemos ser coniventes com tamanha ignorância. Vamos ser consequentes e apresentar queixa-crime na Procuradoria da República contra os autores desta publicação infame. Partilhar essas imagens é ignorância”, escreveu o jurista mindelense, que pediu a todos para denunciarem ao Facebook aqueles que publicaram as fotos e bloquearem as respectivas páginas.

Foi o que fez o jornalista Dai Varela, amigo do professor Dany, um dos três civis mortos no Monte Tchota. Mas, para seu desalento, a denúncia do caso ao Facebook de nada serviu. Após tomar essa iniciativa, Varela recebeu a seguinte resposta da multinacional: “Obrigado pelo tempo despendido para denunciares algo que consideras poder estar a desrespeitar os nossos padrões da comunidade. Revimos a foto que denunciaste por promover violência gráfica e considerámos que esta não desrespeita os nossos padrões da comunidade. Entra em contacto connosco se vires mais alguma coisa que te preocupe. Queremos manter o Facebook seguro e acolhedor para todos.”

Esta reacção deixou atónito o jornalista português Jorge Montesinho, residente na cidade da Praia. “Só no Face podes mostrar massacres, mas não mamilos...; p… para os mercados”, desabafou esse profissional da imprensa cabo-verdiana.

A publicação das fotos provocou um aceso debate na referida plataforma digital. Na sua maioria, as pessoas condenaram esse acto e criticaram aqueles que supostamente fizeram isso com a intenção de ganhar “views” e “likes”. Se foi essa realmente a intenção, tudo indica que o tiro lhes saiu pela culatra. É que várias pessoas foram alvo de duras críticas e houve até quem tenha bloqueado amigos virtuais. A modelo Vaiss Reis, por exemplo, colocou uma mensagem “curta e grossa” na sua cronologia com a seguinte informação: “bloqueado e denunciado ‘Onda Kriolu’. Uma vergonha!”

A página Onda Kriolu foi uma das visadas pelos internautas e não teve outra alternativa que não apagar a pasta fotográfica “Massacre di Monte Txota”. Mas fê-lo acompanhado da seguinte chamada de atenção “Deleted… Decidimos eliminar as fotos da tragédia por nossa livre e espontânea vontade. Mas, o facto de apagá-las’ não significa que não existam. Só significa que não queremos encará-las, que não estamos prontos para olhar de frente a realidade. (…) A nossa realidade.” Uma mensagem que despertou uma nova onda de críticas de seguidores dessa página, que costuma publicar notícias em crioulo sobre Cabo Verde.

Os artigos mais recentes

26 Apr. 2017
OPINIÃO
Dias trumpianos

100% Prático

publicidade






Mediateca
publicidade

Cap-vert

Uhau

Uhau